PT_CMYK.jpg

salvar abelhas & agricultores

A importância dos polinizadores é tal, que ecossistemas inteiros dependem deles. Nós incluídos. 

O projecto Apis Domus aliou-se à campanha Salvar as abelhas e os agricultores em prol da protecção das abelhas e da saúde humana.
Apela-se à Comissão Europeia a aprovação de legislação que com vista à eliminação progressiva dos pesticidas sintéticos na agricultura até 2035, à restauração da biodiversidade e ao apoio os agricultores na fase de transição.


Juntem-se a nós por um futuro vivo.

refúgios para abelhas solitárias

Conhecem-se cerca de 720 espécies de abelhas em Portugal. Destas, apenas uma faz mel (Apis mellifera); a maioria é solitária e várias espécies nidificam em orifícios préexistentes na madeira.
Um hotel de abelhas alberga, essencialmente, espécies da família Megachilidae, a segunda família mais abundante em Portugal, com mais 160 espécies listadas até à data. Maioritariamente solitárias, trata-se de um grupo com hábitos de nidificação bastante diversos que inclui espécies que escavam o próprio ninho, no solo ou em raminhos secos, ou que utilizam cavidades pré-existentes, no solo, em cascas vazias de caracóis, em ramos ocos ou em madeira. Para além da localização, também os materiais utilizados na construção de células de nidificação – os quartos individualizados da descendência – são muito diferentes. Assim, os megachilídeos tanto podem recorrer a lama para construir paredes (abelhas pedreiras), cortar folhas com que delineam as células (abelhas cortadoras), tecer câmaras a partir dos tricomas das plantas (abelhas cardadoras), ou utilizar resinas como material de consolidação.

14231164_1493493550677725_78756759182511
14231164_1493493550677725_78756759182511

14289850_1493493567344390_60583176583237
14289850_1493493567344390_60583176583237

P1160657
P1160657

14231164_1493493550677725_78756759182511
14231164_1493493550677725_78756759182511

1/7

outros refúgios